Futuro do trabalho: a tecnologia aliada às mudanças no novo workplace

A transformação digital já é uma realidade em nossa sociedade, especialmente no ambiente corporativo. Com novas tecnologias e uma forte cultura de inovação, a TI passou a desempenhar um papel de protagonismo nas empresas. Por isso, muito se discute sobre qual será o futuro do trabalho nesse novo cenário.

Podemos notar que algumas mudanças já estão ocorrendo. A Indústria 4.0, por exemplo, veio para ficar. Entretanto, é natural que surjam algumas dúvidas ao lidar com esse tema. Afinal, como se preparar e inovar nos negócios? Como se manter atualizado? O que já vem acontecendo e pode ser colocado em prática?

Criamos este post para tirar as suas dúvidas e mostrar alguns pontos essenciais que você deve entender sobre esse assunto. Confira!

A Indústria 4.0 e o futuro do trabalho

O universo 4.0 é fruto da chamada quarta revolução industrial, na qual a tecnologia e a digitalização transformaram a informação em um verdadeiro ativo das empresas. A indústria é, sem dúvidas, um dos ambientes mais impactados por essa mudança. A integração de equipamentos e produtos de software inteligentes ampliou a possibilidade de reduzir custos operacionais.

Consequentemente, o trabalho humano nesse contexto também passou a ser repensado. Se os aplicativos de smartphone vêm remodelando serviços, como o de transporte (Uber) e de hotelaria (Airbnb), e reduzindo a necessidade de intervenção humana na gestão, o mesmo acontece dentro das fábricas.

A Internet das Coisas e o futuro do trabalho

A Internet das Coisas (IoT) está no coração da Indústria 4.0. Grosso modo, ela permite implementar uma infinidade de sensores nas máquinas para mensurar o seu desempenho em tempo real. Os indicadores (de velocidade, umidade, pressão, temperatura, vibração etc.), coletados e transmitidos por rede sem fio (wireless), permitem um monitoramento preciso e a identificação de anomalias que indiquem um risco de falha.

Logo, o setor deixa de ser responsável só por “apagar incêndios” e atua de forma preditiva, antecipando falhas. Estamos falando de uma maneira inovadora de reestruturar os processos e, consequentemente, as formas de trabalho. A redução de custos operacionais, é claro, tende a cair vertiginosamente. Porém, isso não significa que temos menos técnicos nas linhas de produção, mas que o perfil desses profissionais vem mudando.

Por um lado, é preciso capacitar as pessoas para que elas lidem com esse tipo de tecnologia. Por outro, as próprias soluções desenvolvidas devem ser intuitivas, de fácil uso e, principalmente, integradas. Afinal, com uma infinidade de aplicativos à disposição dos usuários, é inviável que eles aprendam a operar sistemas tão diferentes.

Não é à toa que a computação em nuvem se destaca como ferramenta para viabilizar a integração de plataformas, sobretudo nas empresas. Quais são, então, as outras mudanças e tecnologias que mais se sobressaem?

As tendências do futuro do trabalho

Aliado às mudanças tecnológicas, que acontecem em rito acelerado, temos um fator fundamental: as características das gerações mais recentes (Millennials e geração Z). Da mesma forma que ferramentas antigas, como as cartas, perderam espaço, outros processos e instrumentos vêm sendo deixados de lado na rotina dessas pessoas — como é o caso do e-mail.

Com aplicativos de mensagem instantânea à disposição, o e-mail vem se tornando quase obsoleto. Para essas gerações, ele é mais um registro de informações e documentos do que um meio de comunicação em si. Da mesma forma, o comportamento humano se mostra um aliado da tecnologia em outras tendências que emergem.

Trabalho remoto

Na busca pela redução de custos operacionais, cada vez mais empresas adotam o trabalho remoto. O homeoffice, por exemplo, é extremamente valorizado pelas novas gerações, já que permite maior conforto, liberdade e autonomia para a realização das atividades de cada um. Do ponto de vista da companhia, também é benéfico, já que reduz o custo com infraestrutura.

O investimento passa a ser em espaços de coworking, ou trabalho colaborativo, nos quais esses profissionais se encontram quando precisam. Aliado a isso, as empresas adotam métodos que dão mais autonomia para cada colaborador. Um bom exemplo disso é o desenvolvimento ágil de softwares, que foca na satisfação do cliente e na entrega rápida, reduzindo a burocracia e valorizando as iniciativas inovadoras.

Vale destacar que isso traz consigo a necessidade de estabelecer uma boa comunicação entre as equipes.

Ciência de dados

O uso estratégico dos dados tem um papel importante no futuro do trabalho. O uso da IoT é um bom exemplo disso: a empresa capta os dados, transforma em informação relevante (por meio de um software) e usa o resultado como base para a tomada de decisões. Solicitar que um técnico verifique o eixo de uma esteira que está vibrando mais do que o normal é um exemplo de decisão embasada em dados.

Nesse sentido, a ciência de dados (Data Science) deve ganhar espaço entre as atividades fundamentais das empresas. O profissional capacitado que domina o conceito e as suas aplicações será cada vez mais necessário para viabilizar essa estratégia, tanto que ele está entre as grandes tendências para o futuro do trabalho.

A preparação das empresas para o futuro

Estar preparado exige, em primeiro lugar, adotar uma cultura da inovação. Isso significa não só conhecer novos métodos e tecnologias, mas estar aberto a uma nova forma de pensar o trabalho e os processos produtivos. Com a entrada da Inteligência Artificial (IA), por exemplo, a busca por redução de custos vai além e pode trazer mudanças no próprio core business da empresa.

Ainda no exemplo da manutenção preditiva — ou prescritiva —, é a IA a responsável por analisar o volume gigantesco de dados para gerar insights relevantes. Da mesma forma, a tecnologia permite ampliar e quase extinguir o que conhecemos como ambiente de trabalho. Se o smartphone está sempre ao alcance, o desempenho tende a deixar de ser mensurado pela presença das pessoas e passa a focar nos resultados.

A cultura da inovação, nesse sentido, envolve aprender a trabalhar em parceria com a tecnologia. Os chatbots, por exemplo, devem ser parceiros cada vez mais presentes. Se alguém busca uma informação — seja um colaborador, seja um cliente —, ele está lá para fornecê-la.

Na prática, o ambiente de trabalho do futuro é muito mais simples. A tecnologia permite isso e o colaborador participa com a sua própria experiência digital, atuando de forma a otimizar os seus resultados dentro daquilo que a empresa espera dele.

Como visto, são questões que mostram uma vasta gama de oportunidades para o futuro do trabalho. A sua integração com as novas tecnologias já vem acontecendo e, portanto, as empresas não podem insistir em modelos obsoletos. Quem souber tirar mais proveito disso estará um passo à frente, principalmente com a redução de custos operacionais. Então, coloque a tecnologia para trabalhar a seu favor!

Se gostou do post, compartilhe-o nas suas redes sociais e leve esse conhecimento aos seus contatos!

The post Futuro do trabalho: a tecnologia aliada às mudanças no novo workplace appeared first on .


Fonte: softwareone.com/feed

Comentários