Segurança na nuvem: os esforços da Microsoft para diminuir os riscos

A segurança da informação é um assunto cada vez mais importante para empresas que apostam na transformação digital. Mas será que essa deve ser uma preocupação que atrasa a sua migração para sistemas baseados em cloud computing?

Neste artigo, falaremos sobre como a proteção de dados pode fazer parte da rotina de uso da nuvem em uma empresa e como a aposta no Azure da Microsoft é uma ótima opção para colher frutos sem correr riscos. Vamos lá?

A importância da segurança na nuvem

Quando a cloud computing começou a se popularizar no ambiente corporativo, havia uma desconfiança muito grande ao redor da capacidade desse tipo de serviço de oferecer segurança para dados empresariais.

Depois de um tempo, porém, a nuvem se mostrou tão confiável e eficiente em bons serviços que o problema se tornou o contrário: muitos empresários e até mesmo gestores de TI começaram a achar que, pelo simples fato de usarem esse recurso, já estavam seguros.

A segurança na nuvem, na verdade, é um conjunto de ferramentas, serviços, práticas e estratégia. É um planejamento que se inicia na TI e precisa se espalhar por toda a empresa.

Mas, porque cada vez mais, a operação, a gestão e até mesmo a existência de um negócio vai depender da cloud computing?

Pense em aplicações como serviço, e-commerces e produtos digitais. A nuvem é o que permite a confiabilidade e performance desses modelos de negócio. No futuro, até mesmo serviços mais tradicionais vão depender da tecnologia para serem competitivos.

Nesse cenário, ter um sistema seguro significa obter sucesso. A proteção de dados se torna peça prioritária nas estratégias de gestores — a partir da TI para os outros departamentos.

As soluções de segurança do MicrosoftAzure

Quando queremos falar sobre segurança na nuvem, é impossível não citar os esforços da Microsoft para tornar sua nuvem Azure uma referência de confiança no mercado.

Quando se gerencia servidores on-premises, gestores tecnológicos acabam responsáveis por toda a estrutura — desde sua aquisição até a manutenção e disponibilidade. O que a Microsoft busca é dar o máximo de apoio nas partes estruturais e operacionais de um sistema para que o seu foco possa ser mais estratégico.

A migração para o Azure não traz apenas a infraestrutura de armazenamento, mas uma série de módulos, ferramentas e funcionalidades que facilitam a gestão de segurança dentro de um negócio.

O maior destaque fica para a Central de Segurança do Azure, uma arquitetura integrada de gerenciamento e proteção de dados oferecida pela Microsoft em seu modelo SaaS.

Como diz a própria empresa, seu foco é fortalecer a postura de segurança dentro da TI, com vantagens como suporte ativo, proteção contra malwares, monitoramento de redes, gestão sem intervenção e atualizações automáticas de segurança — tudo isso com relatórios detalhados sobre processos e procedimentos.

Por ser um modelo como serviço, todas essas soluções podem ser implementadas rapidamente com um nível de SLA incrível desde o primeiro dia.

Essa economia de tempo com o Azure é fundamental para focar os esforços da TI nas soluções que serão possibilitadas, como uso de SAP no Azure, uso de Inteligência Artificial para BI, DevOps, Blockchain, Big Data, entre outros.

5 passos para ter mais segurança na nuvem com o Azure

A implementação do Azure na empresa já é o primeiro passo mais importante para garantir performance e segurança no seu sistema, mas algumas outras questões precisam ser analisadas para garantir o sucesso dessa estratégia. Veja 5 dicas para superar os desafios da proteção de dados!

1. Mude a cultura da empresa

A resistência ao uso de tecnologia e a adoção de práticas de segurança ainda são comuns nas empresas, principalmente em mercados em que a transformação digital ainda está em seus estágios iniciais — o Brasil se inclui nessa categoria.

Portanto, o sucesso da implementação e utilização do Azure passa muito pela capacitação dos profissionais da empresa, uma responsabilidade de treinamento e comunicação que parte sempre da TI.

2. Incentive a pesquisa de segurança

A implementação do Azure, assim como qualquer outra infraestrutura de nuvem, não garante a segurança de um negócio. Elas precisam ser acompanhadas por uma metodologia bem desenhada e aplicada de monitoramento e pesquisa constantes das vulnerabilidades do seu sistema.

Felizmente, a solução da Microsoft conta com o Security Center para auxiliar gestores de TI nessa tarefa. A camada do Azure Monitor utiliza Machine Learning em sua funcionalidade de log analytics, fazendo papel de proteção e de advisor do ambiente.

3. Aposte em mais camadas de segurança

Grandes serviços de nuvem são alvos constantes de tentativas de ataques e, por isso, investem tanto em segurança. Mesmo que seja improvável que um serviço desses gere algum comprometimento, nunca é demais criar camadas extras de segurança para proteger seu banco — como é o caso de WAFs.

4. Aposte em parcerias de implementação e gerenciamento

Para potencializar ainda mais o retorno de soluções como o Azure sem correr riscos, a ajuda de empresas especializadas pode ser a solução perfeita.

São serviços capacitados para ajudar na implementação em nuvem com um grande foco na proteção de dados, como o Microsoft Advisory Services.

Além disso, ao adicionar uma camada de serviços, você tem a tranquilidade de um retorno satisfatório na contratação do Microsoft Azure e libera a rotina da sua equipe para utilizar a tecnologia de forma mais estratégica, sem tantas preocupações com o lado operacional da infraestrutura.

A empresa que tem foco em segurança na nuvem consegue usufruir de todas as vantagens da transformação digital sem riscos para o comprometimento de seus dados e de seus clientes. A solução Azure é o primeiro passo para esse futuro.

Gostou do artigo? Então, aproveite para assinar a nossa newsletter e receber nossas atualizações!

The post Segurança na nuvem: os esforços da Microsoft para diminuir os riscos appeared first on .


Fonte: softwareone.com/feed

Comentários